O pouso do Rover Perseverance da NASA em Marte inicia uma Nova Era de Exploração
mars rover illustration 02 gty jef 210216 1613512015861 hpEmbed 16x9 992

Após de uma aterragem de roer as unhas, o Rover Perseverance irá agora recolher pedras para retornar à Terra e gravar os sons de Marte pela primeira vez.

O Rover Perseverance da NASA pousou com segurança na cratera de Jezero em Marte em 18 de fevereiro, dando início a uma nova era de exploração no planeta vermelho em que as rochas serão coletadas e devolvidas à Terra pela primeira vez.

Envolvido num escudo protetor de calor, o Perseverance passou zunindo pela fina atmosfera marciana e então disparou um pára-quedas para diminuir a velocidade. Numa manobra de pouso final, um ‘guindaste do céu’ segurando o rover disparou seus foguetes para baixar suavemente o Perseverance, do tamanho de um carro, de seis rodas para a superfície.

O Rover pousou às 15h55, horário do leste dos Estados Unidos, após uma viagem de quase sete meses da Terra. As primeiras imagens da superfície, obtidas através das tampas das lentes transparentes de suas câmeras anti-perigos, mostraram uma paisagem empoeirada salpicada de pedras. O Perseverance está agora sentado no chão liso e escuro da cratera de Jezero, cerca de 2 quilômetros a sudeste do que antes era um delta de rio, quando a cratera estava cheia de água. Falésias altas – as bordas daquele antigo delta – mal são visíveis nas imagens iniciais capturadas pelo veículo espacial.

A aterrissagem foi tão tranquila quanto os engenheiros esperavam. “Quase sinto que estamos num sonho”, disse Jennifer Trosper, vice-gerente de projetos da missão no Jet Propulsion Laboratory (JPL) em Pasadena, Califórnia. Nos próximos dias e horas, o Rover fotografará mais de seus arredores e começará a testar os instrumentos científicos que carrega.

O objetivo da missão é rolar ao redor da cratera de Jezero e coletar amostras de rochas do delta do rio e de um lago antigo que pode conter evidências de vidas marcianas no passado. No final das contas, o Rover deixará essas amostras em certos pontos no solo marciano, onde futuras espaçonaves podem recuperá-las – tornando o Perseverance o primeiro passo em um esforço decadal para trazer rochas de Marte para a Terra.

Explorando o terreno

A chegada do Perseverance foi ainda mais dolorosa do que outros pousos em Marte, porque o Rover pousou num local geologicamente desafiador. Jezero está repleta de penhascos íngremes, grandes rochas e dunas de areia traiçoeiras que a espaçonave precisava evitar. Os engenheiros do JPL, onde o Perseverance foi construído, desenvolveram técnicas de prevenção de riscos para garantir um pouso seguro. Mais notavelmente, conforme o Perseverance descia em direção a Jezero, ele usou uma câmera apontando para baixo para fotografar rapidamente a paisagem e comparar o terreno com um conjunto de mapas armazenados a bordo. A espaçonave então se afastou dos perigos, parando num local plano numa das poucas áreas seguras. “Tudo parece ótimo”, diz Trosper.

O último Rover a chegar a Marte foi o Curiosity da NASA, em 2012. Ele tem explorado um antigo leito de lago na cratera Gale, onde descobriu evidências de um ambiente outrora habitável (embora não tenha encontrado nenhuma evidência real de vida passada em Marte).

O Perseverance carrega dois microfones – o primeiro já enviado ao planeta – para ouvir sons marcianos, como o vento e o barulho das rodas do veículo espacial rolando pela superfície. Em 2018, a NASA pousou outra nave, a sonda InSight, a cerca de 3.500 quilômetros de distância, mas tem um sismômetro que escuta os ‘marsquakes’ sacudindo o solo. Os cientistas da InSight acreditam que há uma pequena chance de que a sonda possa “ouvir” o Perseverance pousar em Marte, quando duas grandes partes do sistema de pouso do Rover atingirem a superfície. Mas eles não saberão se o InSight detectou o impacto até a manhã de 19 de fevereiro, no mínimo. Seria a primeira deteção sísmica de um impacto conhecido em outro planeta e poderia revelar mais informações sobre o interior de Marte, porque ondas como essas podem ajudar a mapear características geológicas abaixo da superfície. “Tudo o que podemos fazer é esperar e ter esperança”, diz Benjamin Fernando, um cientista planetário da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que está envolvido no projecto.

Imagens das câmeras coloridas do Perseverance, bem como vídeos feitos durante sua descida, provavelmente serão divulgados nos próximos dias.

Durante os primeiros 30 dias marcianos na superfície, o Rover estará ocupado verificando seus instrumentos, incluindo o desdobramento de um mastro carregado com câmeras de alta definição e fotografando a área ao redor do local de pouso. Um instrumento puxará um pouco da atmosfera marciana e tentará usar os gases que coleta para produzir alguns gramas de oxigénio, como recurso para futuros exploradores humanos.

Nas próximas semanas, o Perseverance irá rolar para longe de seu local de pouso e baixar um minúsculo helicóptero de 1,8 quilo de sua barriga para a superfície. O helicóptero, denominado Ingenuity, testará o primeiro vôo motorizado em outro mundo. “Será realmente um momento dos irmãos Wright, mas em outro planeta”, diz MiMi Aung, o engenheiro-chefe do helicóptero no JPL.

Eficiência da missão

Durante os primeiros 3 meses do Perseverance na superfície, os cientistas e engenheiros da equipa trabalharão no horário de Marte, no qual um dia é quase 40 minutos a mais do que um dia na Terra. Isso significa que muitas vezes trabalharão durante a noite, suas vidas empurradas para uma espécie de jetlag permanente. Trabalhar no horário de Marte, no entanto, permite que a equipa seja mais eficiente no planeamento das operações diárias, depois de verificar o Rover no início de cada dia marciano.

O Perseverance visa viajar de forma rápida e eficiente, viajando pelo menos 15 quilômetros através de Jezero em um ano de Marte (que é quase 2 anos na Terra) – o tempo que a NASA alocou para a missão inicial. Ele carrega 43 tubos para coletar rocha e terra marciana; a meta é encher e deixar 15 a 20 deles até o final do primeiro ano para que as futuras espaçonaves o apanhem.

O veículo espacial movido a plutônio poderia então rolar para uma planície vizinha para explorar outros ambientes que eram adequados para a vida antiga e continuar coletando rochas e solo. O mais cedo que qualquer uma de suas amostras pôde ser devolvida à Terra foi em 2031.

O Perseverance, lançado em julho de 2020, custou US $ 2,4 bilhões para construir e lançar e custará outros $ 300 milhões para pousar e operar durante seu primeiro ano em Marte. É a terceira missão a chegar ao planeta vermelho neste mês – seguindo as espaçonaves dos Emirados Árabes Unidos e da China , que agora estão em órbita.

A missão chinesa, Tianwen-1, tentará pousar seu próprio veículo espacial na superfície já em maio.

Fonte: Nature

Comments
All comments.
Comments

Ao continuar a usar o site, você concorda com o uso de cookies. Mais Informação

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar