Líderes da UE e da China fecham acordo de investimento há muito esperado
Belgium EU China 96712

Altos funcionários da União Europeia e o presidente chinês Xi Jinping concluíram um acordo de investimento empresarial há muito aguardado com o potencial de irritar a nova administração americana.

Altos funcionários da União Europeia e o presidente chinês, Xi Jinping, concluíram um acordo de investimento empresarial nesta quarta-feira que abrirá grandes oportunidades para empresas europeias , mas tem o potencial de irritar a nova administração americana.

Em meio às preocupações com a situação dos direitos humanos na China, a UE disse que as negociações de sete anos foram concluídas em “princípio” durante uma videoconferência envolvendo Xi, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho da UE, Charles Michel.

A chanceler alemã, Angela Merkel – cujo país detém a presidência rotativa da UE – e o presidente francês Emmanuel Macron também participaram das discussões com o presidente chinês, disse a UE.

“Estamos abertos para negócios, mas estamos apegados à reciprocidade, igualdade de condições e valores”, disse von der Leyen.

A videoconferência lança um processo de ratificação que levará vários meses. Para entrar em vigor, o acordo terá de ser ratificado pelo Parlamento Europeu e a questão dos direitos humanos pode ser um obstáculo.

De acordo com dados da UE, a China é agora o segundo maior parceiro comercial do bloco, atrás dos Estados Unidos, e a UE é o maior parceiro comercial da China. A China e a Europa comercializam em média mais de € 1 bilião por dia.

De acordo com a UE, o acordo foi negociado depois que a China se comprometeu a buscar a ratificação das regras da Organização Internacional do Trabalho sobre trabalho forçado.

Na terça-feira, a UE expressou preocupação com “as restrições à liberdade de expressão, ao acesso à informação e à intimidação e vigilância de jornalistas, bem como detenções, julgamentos e condenações de defensores dos direitos humanos, advogados e intelectuais na China”.

A UE espera que o acordo, conhecido como CAI, ajude a corrigir um desequilíbrio no acesso ao mercado e a criar novas oportunidades de investimento para as empresas europeias na China, garantindo que podem competir em pé de igualdade quando operam no país.

O bloco de 27 países disse que o acordo é o mais ambicioso que a China já fez com um terceiro país e dará acesso adicional a muitas áreas, incluindo o setor de carros elétricos e veículos híbridos, bem como hospitais privados, telecomunicações e serviços em nuvem.

Mas tem o potencial de causar tensão na administração do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, apenas algumas semanas depois que a UE propôs um diálogo transatlântico para lidar com “o desafio estratégico apresentado pela crescente assertividade internacional da China”

A UE, entretanto, disse que o acordo de investimento dará à UE o mesmo nível de acesso ao mercado na China que os Estados Unidos têm e insistiu que o acordo beneficiará outros parceiros comerciais ao fazer com que a China se comprometa com altos padrões de conduta.

A UE disse anteriormente que o acordo, que inclui disposições para a resolução de litígios, deve aumentar a transparência dos subsídios estatais chineses e tornar o desenvolvimento sustentável um elemento chave das relações entre a UE e a China.

O negócio também inclui regras claras contra a transferência forçada de tecnologias, uma prática em que um governo exige que investidores estrangeiros compartilhem sua tecnologia em troca de acesso ao mercado.

Fonte: Independent

Comments
All comments.
Comments

Ao continuar a usar o site, você concorda com o uso de cookies. Mais Informação

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar